Fique Onde Está e Então Corra | Resenha

Bom, eu tive muitos problemas para fazer essa resenha, não sei se é porque ainda é a minha segunda resenha ou porque eu sou burro – alternativa certa
ou se era porque a história era tão simples e complexa ao mesmo tempo que eu não sabia o que escrever, mas enfim… vamos lá:

A história gira em torno de Alfie Summerfield, que, no dia do seu aniversário de 5 anos é pego de surpresa. Primeiro: pela falta de convidados – a festa foi flop total– e segundo: os adultos pareciam muito preocupados e sua avó dizia que estavam todos perdidos.
Logo depois Alfie descobre que a Primeira Guerra Mundial estava acabando de começar e seu pai, Georgie, se alistaria.
Mudando completamente de vida, a Senhora Summerfield, também conhecida como Margie, precisa trabalhar para sustentar sua pequena família enquanto espera seu marido voltar da guerra, porque nunca foi fácil pra ninguém né não?
Georgie mandava cartas para sua família sempre que podia, até que então parou de mandar e é aí que Alfie começa a desconfiar sobre o que realmente acontecera com o seu pai.
Alfie começa a trabalhar na estação de Kings Cross, como engraxate, foi como eu disse, não ta fácil pra ninguém, né. Até que em um belo dia descobre uma pista sobre o sumiço do seu pai e se arrisca para descobrir mais e por fim, salvar seu pai.

Alfie: Eu achei o Alfie muito esperto para um menino de 7 anos, ele fazia coisas que eu nem imaginaria fazer, mas eu acho que é um “clichê” toda criança em livro ser muito inteligente. Eu as vezes ficava irritado com ele por causa das suas decisões, mas eu entendia que ele era apenas uma criança – mesmo que muito inteligente – e tentava perdoar. A coragem de Alfie é algo surpreendente e inspirador, ele não deixou o forninho cair nenhuma vez.

Personagens Secundários: Eu gostei de todos os personagens secundários, o autor conseguiu transmitir todo um pensamento dos anos 1914 de uma forma bem verdadeira, com todos os preceitos e preconceitos deles. O personagem que mais chama atenção é Joe Patience, o melhor amigo do pai de Alfie, que se recusa a ir para a Guerra, sendo excluido e menosprezado pelas outras pessoas. Ele me conquistou com toda a sua sabedoria e seu pensamento futurista, o que era muito mal visto na época. Também gostei da Kalena Janáček que com apenas 5 anos de idade decidiu deixar o amor de lado para se tornar a primeira-ministra de Londres.

Eu gostei da história? Gostei, mas achei que o autor pecou em certos pontos, como por exemplo, o narrador não ser o próprio Alfie, eu achei que seria mais divertido se ele fosse o narrador. Também não gostei muito de como a história foca bastante em Alfie e em um certo ponto ela fica muito parada, mas tirando isso o livro é perfeito.

Querem acompanhar o conteúdo do blog? Então fique de olhos nas minhas redes sociais  Facebook  Twitter  Instagram

 

Lucas, 18 anos. Altos níveis de déficit de atenção e imaginação. Fã de literatura fantástica, café e frio (: Pretende escrever um livro e morar em NYC

Leave a Reply